49 3328 4874
ÁREA DO CLIENTE

TOPO

Postado em 26 de Setembro às 17h43

Saiba como executar corretamente o resgate em altura.

Tríade Inspeção Industrial - Chapecó/SC Desde 2012, a CLT determina que toda empresa que desenvolva algum tipo de trabalho em altura tenha um plano de resgate e evacuação, não importando o ramo de atuação. Para...

Desde 2012, a CLT determina que toda empresa que desenvolva algum tipo de trabalho em altura tenha um plano de resgate e evacuação, não importando o ramo de atuação. Para isso, no mesmo ano entrou em vigor a NR 35 que regulamenta todo trabalho em altura, determinando quais são as obrigações da empresa, do funcionário, os EPIs obrigatórios para segurança e até como proceder em caso de acidente.

A base para que se chegue ao mínimo de ocorrências com acidentes durante a execução de qualquer trabalho é o conhecimento. Por isso é tão importante investir em treinamento para seus colaboradores. De acordo com a norma, a carga horária mínima é de 8 horas com conteúdos teóricos e atividades práticas. Além da implementação de planos de salvamento que serão eficazes somente se forem repassados a todos os funcionários e treinado por meio de simulações.

Nos casos em que haja algum acidente é essencial que se tomem algumas medidas para resgatar corretamente uma pessoa e evitar danos:

  •  Os equipamentos devem estar acessíveis ao local de trabalho: isso pode ser determinante no momento do resgate, que quanto mais rápido acontecer, maiores as chances de sucesso;
  •  Apenas profissionais capacitados devem fazer parte do resgate: cabe ao profissional de segurança do trabalho selecionar quem é mais adequado para a operação. Esta medida garante maior proteção a todos os que estiverem envolvidos;
  •  Sua segurança também é importante: antes de efetuar um resgate, é importante avaliar toda a situação, como local do acidente, porte e peso da vítima e as suas próprias condições. Afinal, resgatar alguém acidentado ou em perigo é importante, desde que não custe a sua própria segurança;
  •  Atenção ao manipular a vítima: é indispensável saber imobilizar a vítima de forma correta, sem que seja mais machucada. Outro ponto crucial é afastar de si e do acidentado o foco do perigo, para evitar agravamento das lesões ou até mesmo novos machucados.


Agindo corretamente, de acordo com o normativo de segurança vigente, é possível realizar o resgate de trabalhadores em altura de forma segura e eficaz, protegendo a todos os que estiverem no local.

Ficou com alguma dúvida? Entre em contato conosco!

    Veja também

    JBS É DESTAQUE EM PLATAFORMA GLOBAL QUE AVALIA RISCO AMBIENTAL DAS COMPANHIAS21/06/18 A JBS recebeu importantes reconhecimentos de suas práticas corporativas de sustentabilidade, de acordo com os critérios estabelecidos pela organização internacional CDP, anunciou a companhia recentemente. Na edição do programa CDP Supply Chain 2017, a empresa obteve destaque nos módulos Florestas e Água, alcançando a nota A- nas duas......
    Dicas para quem opera elevadores tracionados à cremalheira18/01 A NR 18 apresenta as medidas de segurança para atividades executadas em elevadores tracionados à cremalheira. Abaixo, a Tríade relaciona as boas práticas de segurança que devem ser adotadas pelos trabalhadores e......
    Síndrome da Suspensão Inerte: você sabe o que é?28/06 Também conhecida como hipotensão ortostática, trauma de suspensão inerte e síndrome da cadeirinha, a síndrome da suspensão inerte é resultado das situações em que há queda e o cinto......

    Voltar para BLOG