49 3328 4874
ÁREA DO CLIENTE

TOPO

Postado em 17 de Dezembro de 2018 às 17h22

INSPEÇÃO DE EPI CONTA QUEDA EM ALTURA: SAIBA COMO FAZER.

Tríade Inspeção Industrial - Chapecó/SC De acordo com a NR 35, assim que novos equipamentos de segurança para trabalho em altura são recebidos, eles devem passar por uma inspeção minuciosa antes de serem colocados em...

De acordo com a NR 35, assim que novos equipamentos de segurança para trabalho em altura são recebidos, eles devem passar por uma inspeção minuciosa antes de serem colocados em uso. Esses equipamentos abrangem cintos, talabartes, mosquetões, cintas de ancoragem, cordas, blocantes, trava-quedas, cabos de aço e tudo o mais que seja usado para a execução do trabalho em altura.

As inspeções inicial e periódica devem ser feitas por um profissional habilitado e que tenha conhecimento para avaliar minuciosamente os equipamentos, seguindo, sempre, as orientações dos fabricantes. Devem ser registradas e arquivadas, sem prazo de guarda.

Oriente os funcionários que utilizarão os equipamentos que façam, eles mesmo, inspeções diárias nos EPIs. Estas verificações não precisam ser registradas em ficha, mas são importantes para averiguar a situação e a conservação do aparato, a fim de evitar acidentes decorrentes de desgaste e mau funcionamento.

Para a realização de uma inspeção adequada:

  • Separe os equipamentos por tipo. Exemplo: cinturões, talabartes, etc.;
  • Leia o manual de cada um para entender as informações prestadas pelo fabricante. E, caso haja dúvidas, entre em contato com eles;
  • Deixe as fichas de inspeção separadas e organizadas para cada instrumento;
  • Numere e atribua um código para cada equipamento, marcando esta informação na ficha e no equipamento. Mas atenção: faça as marcações onde não prejudique o seu correto funcionamento;
  • Para a inspeção atente para os seguintes pontos: fivelas, argolas, material têxtil, engates, flexibilidade, invólucros e carcaças, linhas e outros materiais retráteis, mecanismos de frenagem;
  • Na ficha deve conter as seguintes informações: modelo de equipamento, número de série, código do EPI, ano de fabricação, data da compra, data da primeira (e das demais) inspeção, data do primeiro uso, número da nota fiscal, nome do usuário, tipo do trabalho para que é usado, condições do equipamento (aprovado para uso, em manutenção ou descarte).


Garanta um trabalho seguro!

    Veja também

    Síndrome da Suspensão Inerte: você sabe o que é?28/06 Também conhecida como hipotensão ortostática, trauma de suspensão inerte e síndrome da cadeirinha, a síndrome da suspensão inerte é resultado das situações em que há queda e o cinto de segurança detém a queda, mantendo a pessoa suspensa no ar, sem apoio dos pés e das pernas. As fitas do cinto (material......
    SANTA CATARINA TEM PREOCUPAÇÃO COM O BEM-ESTAR ANIMAL21/06/18 A preocupação com o bem-estar animal está na pauta dos produtores rurais e das indústrias catarinenses de processamento de carne. Esta é uma questão absolutamente atual. As agroindústrias barrigas-verdes......

    Voltar para BLOG